Arquivo de dezembro, 2011


Editora: Companhia das Letras

Kay Scarpetta, tem o dom de arrebanhar indivíduos que só vivem para causar a ela danos físicos ou psicológicos – se possível, ambos.

Neste 11o thriller da série, a trama tem como base dois outros livros anteriores:  Alerta Negro (resenha Skoob: http://www.skoob.com.br/estante/livro/712932 e resenha no blog: https://houseofthrillers.wordpress.com/2011/12/17/alerta-negro-black-notice-patricia-cornwell-serie-kay-scarpetta-10/ ) e Foco Inicial (resenha Skoob: http://www.skoob.com.br/estante/livro/682007 e resenha no blog: https://houseofthrillers.wordpress.com/2011/12/10/foco-inicial-point-of-origin-patricia-cornwell-serie-kay-scarpetta-9/ ).

Todos os nossos velhos conhecidos estão presentes:  o Capitão Marino, a sobrinha Lucy Farinelli, o assassin chamado de lobisomem Loup-Garou, o falecido amante de Kay, Benton Wesley, e sua assassina, Carrie Grethen.

A lendária criação da escritora Patricia Cornwell, a médica legista do estado da Virgínia, Kay Scarpetta, tem o dom de arrebanhar fãs e, ao mesmo tempo, muitos indivíduos que só vivem para causar a ela danos físicos ou psicológicos – se possível, ambos. (mais…)


Editora: Companhia das Letras

Este foi o primeiro livro de P. D. James, de 1962, e conquistou prêmios o bastante para que ela se colocasse entre as mais promissoras escritoras de policiais, da época.

Sally Jupp era uma jovem atraente e sensual que usava seu corpo e seu cérebro numa escalada social.

Agora, ela encontra-se jogada em sua cama, com marcas de estrangulamento em seu lindo pescoço.  Alguém decidiu que o ônus do pecado deveria ser a morte.

E o inspetor Adam Dalgliesh tem de descobrir quem decidiu por isso.

Sally era mãe solteira, numa época em que isso ainda era um estigma.  Depois de um tempo num abrigo para mulheres, ela encontra serviço como empregada de uma família aristocrática – os Maxie.  E, uma vez lá instalada, ela mostra um outro lado de sua personalidade: um prazer perverso em criar antipatia em todos que cruzam seu caminho.

E consegue uma proposta de casamento do filho dos Maxie – o que torna seu jogo, letal.

A estória é bem construída, os personagens são bem caracterizados, e o crime é apropriadamente misterioso.  Apesar de ser apenas um vislumbre do estilo que P. D. James irá implantar em seus trabalhos, o inspetor Dalgliesh ainda não está bem desenvolvido – o que é natural.

Um belo exemplo do formato Agatha Christie completo, com a casa de campo do interior da Inglaterra, um assassinato num quarto trancado, e o confronto final entre todos os suspeitos e o detetive.

Uma de suas marcas registradas é sua insistência em descrever cada cena em seus mínimos detalhes, ajudando na construção de uma conclusão surpreendente. (mais…)


Editora: Companhia das Letras

O mal tem muitas faces, de lindas a monstruosas.

 

O 10o livro da série Scarpetta, se inicia no inverno de Richmond na Virginia. 

 

Lucy Farinelli, a amada sobrinha de Kay, está envolvida numa operação policial muito perigosa, infiltrada e disfarçada, correndo perigo de morte.

 

Uma nova delegada, Diane Bray, quer ter controle sobre o departamento de Kay, que anda às voltas com alguém que usa seu perfil na internet, para enviar mensagens cruéis e maledicentes.

 

Emocionalmente baqueada, Scarpetta parece enlouquecer, principalmente após a morte devastadora, de Benton Wesley, no livro anterior, Foco Inicial (resenha no Skoob: http://www.skoob.com.br/estante/livro/682007 e resenha no blog: https://houseofthrillers.wordpress.com/2011/12/10/foco-inicial-point-of-origin-patricia-cornwell-serie-kay-scarpetta-9/ ).  Não será isso, exatamente, o que estão querendo que aconteça com ela?

 

Apesar de seus problemas pessoais, Scarpetta começa a investigar os restos mortais de um homem encontrado morto dentro de um container de um navio de carga.  Além de uma estranha tatuagem, ela encontra estranhos pelos de animal na roupa do homem – do mesmo tipo encontrado nas roupas de uma balconista assassinada dias antes. (mais…)


Editora: Nova Fronteira

Miss Marple sabe – mesmo a cidadezinha mais calma pode guardar os segredos mais escabrosos.

Uma das vizinhas de Jane Marple, Mrs. Bantry, colocou sua casa a venda e ela foi comprada por uma atriz de cinema americano, a bela e glamurosa, Marina Gregg e seu marido Jason Rudd.

O casal oferece uma grande festa para reinaugurar a casa e, durante o jantar, num minuto, a tola Heather Babcock estava falando com sua atriz de cinema favorita.  Logo depois, ela sofre um ataque violento, envenenada por um drinque fatal, que, tudo indica, era para ser tomado pela atriz.

Mas enquanto a polícia se enrola toda para descobrir pistas, Miss Marple começa a perguntar coisas, pois ela sabe – mesmo a cidadezinha mais calma, como St. Mary Mead, pode guardar os segredos mais escabrosos.  A Natureza humana é sempre constante.

Em 1980, o livro foi para o cinema com Angela Lansburry no papel de Miss Marple. Elizabeth Taylor, Rock Hudson, e Kim Novak tiveram outros papéis nesta excelente recriação da peça literária.

Só senti muita falta dos trabalhos de tricot costumeiros, de nossa detetive amadora. (mais…)


Editora: Record

Um hotel antigo de Londres, da era Edwardiana, não tem uma reputação tão boa quanto seria o esperado…

Mas quando Miss Marple vem do campo, para um fim de semana em Londres, pago por seu sobrinho rico, ela encontra o que esperava no Hotel Bertram, que ela havia visitado várias vezes, quando criança: decoração austera, serviço impecável e uma atmosfera de perigo, escondida atrás de balcões envernizados.  O lugar perfeito para seu feriado.

Entrar nesse hotel é como entrar na Inglaterra antes da Guerra Mundial.  Tudo parece funcionar perfeitamente.  Os hóspedes são da nobreza, do clero e de famílias tradicionais – que gostam de passar pela experiência de voltar ao passado.

Mesmo assim, nem Miss Marple poderia prever a violenta cadeia de eventos que se iniciaria quando um hóspede excêntrico chega do aeroporto, no dia errado… (mais…)