Arquivo de janeiro, 2012


 Editora: Alfred A. Knopf

“O mundo dos que estão para morrer é um mundo que não é dos vivos nem dos mortos. Eles se sentam e falam, as pessoas falam com eles, eles ouvem e até sorriem, mas já estão longe de nós em espírito; e não há meio de se entrar em seus mundos sombrios.” P. D. James
A estória de um mundo sem crianças e sem futuro – a raça humana tornou-se infértil nos anos 90 e a última geração a nascer, agora já é adulta (os perfeitos Ômegas) e a civilização se volta para o suicídio e desespero. O último ser humano a nascer, agora com 25 anos, é assassinado numa briga de bar.  As religiões formalmente organizadas são contestadas. A educação é menosprezada. (mais…)

Anúncios

Editora: Putnam´s Sons

“We owe respect to the living.  To the dead we owe only truth.” – Voltaire (Devemos respeito aos vivos.  Aos mortos devemos, somente, a verdade)

O romance policial de número 17, da série Scarpetta, reúne todos os nossos velhos conhecidos personagens, em Nova Yorque.  Por mais de 20 anos, seus livros nos tem trazido o melhor do thriller contemporâneo.  E quando se trata de ciências forenses, ninguém consegue competir com ela.  Marino está trabalhando para a polícia, Benton Wesley está casado com Kay e trabalhando como psicólogo forense no Hospital Bellevue, e Lucy continua o gênio da computação, relacionando-se com a promotora Berger.

Na semana antes do Natal, Scarpetta participa de um programa de televisão, para o qual é convidada a falar sobre a importância dos fios de cabelo como prova forense (com o advento do DNA), mas onde é questionada, na verdade, o tempo todo, sobre a vítima Hannah Starr, bela bilionária, executiva financeira, desaparecida desde o Dia de Ação de Graças e presumidamente morta, com quem Lucy parece ter dividido um passado sombrio. (mais…)


 Editora: Penguin Group

Eu confesso – sou viciada nos livros da Patrícia Cornwell – em especial, os da chamada SCARPETTA´S series, cuja heroína é uma dedicada médica legista forense – Kay Scarpetta, que resolve crimes através da autópsia (ou seria necrópsia?) dos corpos das vítimas.

Ao deixar para trás seu consultório particular de medicina forense, em Charleston, na Carolina do Sul, Kay Scarpetta aceita um emprego na cidade de Nova York, onde a polícia a convoca para examinar um ferido no Hospital Bellevue.

O paciente, que é anão, está algemado, pois é considerado por ele mesmo, prisioneiro.  Oscar Bane pede, especificamente, para ser examinado por ela.

E a estória que ele relata, é bizarra – já que ele parece tanto vítima quanto algoz (assassinato de uma anã – sua namorada). (mais…)


Editora: Companhia das Letras

O capitão Pete Marino finalmente libera seus demônios e ataca seu objeto de desejo

Agora na cidade de Charleston, para cuidar de um laboratório forense particular, a Dra. Kay Scarpetta, é chamada para opinar sobre a tortura e posterior assassinato de uma estrela do tenis, Drew Martin, cujo corpo mutilado foi encontrado em Roma.

Evidências contraditórias confundem a polícia e o psicólogo forense Benton Wesley, namorado de Kay.

Mas logo são descobertas conexões com um menino morto na Carolina do Sul e com a psiquiatra/psicopata/apresentadora de televisão Dra. Marilyn Self, velha inimiga de Kay, que conhecemos em Predador (resenha Skoob: http://www.skoob.com.br/estante/livro/681942 e resenha no blog: https://houseofthrillers.wordpress.com/2011/07/30/predador-predator-patricia-cornwell-serie-kay-scarpetta-14/ ).

Essa Dra. Self não vale a pena ser um personagem – deveria ser descartada do livro – espero não ve-la novamente. (mais…)


Editora: Companhia das Letras

Não é sempre que um thriller oferece elementos como conselhos para uma necrópsia perfeita, ou sobre o uso de aranhas numa tortura sadomasoquista.

Tendo dado voz à Dra. Kay Scarpetta em vários livros anteriores, a escritora reserva, neste, para a personagem, um lugar profissional e impessoal, como legista independente na Academia Forense da Florida.

Sua sobrinha problemática, Lucy Farinelli, está mais atrapalhada do que nunca e guarda um segredo complicado.  A Academia Forense da Florida, onde eventos e roubos estranhos vem acontecendo, é sua criação, para poder atuar como uma agente independente, lidando com seus conflitos pessoais. (mais…)