Violino – Anne Rice

Publicado: 10 de março de 2012 em Anne Rice
Tags:, , , ,

Editora: Rocco

“Existe, certamente, um ponto onde a memória se transforma em sonho. Antes da chegada da morte, do medo e da dor. ” – Anne Rice

Já tentei largar o livro por várias vezes, porque é uma deprê só. É de cortar os pulsos. Parece que foi escrito na época da morte da filhinha dela, Michele Rice, por leucemia. E Anne teria escrito o livro após uma visita ao Rio de Janeiro em busca de uma suposta reencarnação da menina.  Inclusive ela áborda esse fato no livro.

Mas ela escreve tão bem que não consigo parar de ler. E ela consegue me colocar dentro da Nova Orleans before Katrina, como se estivesse assistindo a um documentário. Recomendo. – deixando as facas e lâminas de barbear bem longe…

Eu acredito que este seja o trabalho mais autobiográfico de Anne Rice.  Triana é Anne Rice.

A personagem Triana se apresenta com 54 anos – por coincidência li este livro, na véspera de meu aniversário de 54a anos.

Ela se descreve com o mesmo penteado da fotos que estamos acostumados a ver nos livros.  Mesmo o modo de vestir de Triana é o mesmo, com as longas saias de veludo.  É claro que o maior ponto de encontro é a filha que morre de leucemia, com 6 anos de idade.  É a voz de Anne que narra a terrível experiência de enterrar sua prórpria filha.

Obrigada Anne Rice por nos permitir entrar em sua mente e em seu coração.  Poucos autores conseguem lidar com a língua inglesa, tão musicalmente quanto você.  Obrigada, novamente, por compartilhar seu dom com o mundo.

Da mesma forma que uma de suas crônicas vampirescas: “Entrevista com o vampiro”, Anne Rice se move no tempo e nos continentes, do século dezenove em Viena, ao tempo presente, na Nova Orleans pré Katrina, ao Rio de Janeiro do nosso Brasil, contando a estória de duas personagens muito carismáticas, ligadas, uma a outra, pelo compromisso com a música.

Podemos quase ver os cenários das guerras e dos horrores das revoluções na França e Russia, atavés dos relatos de Stefan e Triana.  Podemos, também, confabular com persongens famosos do mundo histórico da música, como Beethoven, e Paganini.

“O Brasil não é outro país.  É outro mundo, onde os sonhos assumem formas diferentes, as pessoas se comunicam todo dia com espíritos, santos e deuses africanos que se fundem em altares dourados.” – Triana

Nós que aqui vivemos não temos o costume de apreciarmos nossas próprias belezas – Anne Rice descreve com maestria e emoção, paisagens e pontos turísticos cariocas, como o Cristo Redentor, a praia de Copacabana e o Teatro Municipal, com seu restaurante persa (Assirius).

Ela diz, através da protagonista Triana, que tinha de ver aquele Cristo antes de ir embora – e me lembrei da visita que Anne fez ao Cristo em setembro de 2011, durante sua estada para participar da Bienal do Livro.   “Tamanho esplendor, o Cristo de granito lá de coma, com os braços abertos!”

O drama e a intensidade romântica são marcas registradas de Anne Rice.  Seu texto é rápido e confuso, já que está falando sobre alucinações.  E este é um conto trágico.  Senão, vejamos:

Triana: uma mulher fascinantes que sempre sonhou tornar-se uma grande musicista clássica.  Uma mulher bonita, frágil, apavorada e corajosa ao mesmo tempo.  Ela pode usar o dinheiro do segundo marido para se esconder dos horrores da vida enquanto sofria por amá-lo e por perde-lo.

Stefan: um violinista demoníaco, um fantasma de um nobre aristocrata russo, que se junta a ela, usando seu violino mágico para encantá-la, dominá-la e levá-la à loucura, através da música. Um personagem decadentemente trágico.  Ele é bom ou mau?  Traz prazer ou dor?  Qual seu propósito maior?

Stefan usa o passado dolorido de Triana (uma mãe alcoólatra, um pai negligente, um casamento falido) e suas várias perdas (uma filha morta pelo câncer, um marido morto pela Aids, uma irmã desaparecida), para justificar seus próprios pecados, aos matar seu pai e conseguir resgatar seu instrumento querido.  Credo! Chegar a dormir com seu cadáver é meio demais pra mim.

Mas Triana resiste, lutando por sua sanidade e por sua vida.  A luta os leva a serem cercados pelo horror das verdades e das memórias das vidas passadas, batalhando desesperadamente, pela posse do violino (um valioso Stradivarius).

Ao invés de dominá-la, Stefan acaba levando-a à cura e à superação.

Stefan Stefanovsky – um fantasma meio parecido com outro demônio de Anne: Lasher??? (resenha Skoob: http://www.skoob.com.br/estante/livro/681979 e resenha no blog: https://houseofthrillers.wordpress.com/2011/07/02/a-hora-das-bruxas-the-witching-hour-anne-rice/), ou meio Taltos??? (resenha Skkob: http://www.skoob.com.br/estante/livro/14009401 e resenha no blog: https://houseofthrillers.wordpress.com/2011/07/16/taltos-anne-rice-a-saga-das-bruxas-mayfair-4/ )?

vídeo da visita de Anne Rice ao Cristo Redentor em setembro de 2011:

Anne Rice

Anne Rice cresceu em New Orleans, criada de um jeito diferente e exposta a grandes ideais que deram a ela um apurado senso de auto-valorização. Sua imaginação desenvolveu-se e populou um mundo de fantasia, usando vários elementos do mundo do mistério e sobrenatural. Os eventos dramáticos que aconteceram em sua vida resultaram numa riqueza emocional que recheia suas obras e cativa muitos leitores.

 
Anne Rice mostrou ser plural – dependendo das diversas fases de sua vida. Embora educada em colégio católico, casou-se com Stan, um ateu convicto. Nesses anos publicou sua maior obra que envolve temas góticos, vampirismo e magia. Em seus livros ela invariavelmente apresenta seus vampiros como indivíduos com suas paixões, teorias, sentimentos, defeitos e qualidades como os seres humanos, mas com a diferença de lutarem pela sua sobrevivência através do sangue de suas vítimas e sua própria existência, que para alguns deles, é um fardo a ser carregado através das décadas, séculos e até milênios.

Anne Rice

Com a morte do marido influenciador e o advento do furacão Katrina, que devastou Nova Orleans, tornou-se uma escritora que privilegia, atualmente, temas cristãos. Rice despede-se dos seus temas habituais para descrever seu recente retorno à fé Católica e avalia de forma divertida e ácida a moda dos estudos bíblicos nos dias de hoje.

Outras resenhas de livros de Anne Rice, aqui no House of Thrillers:    

https://houseofthrillers.wordpress.com/category/anne-rice/

Para seguir a escritora no Twitter: @AnneRiceAuthor

Site: http://www.annerice.com/

Grupos de discussão sobre a escritora, no portal Skoob: http://www.skoob.com.br/grupo/407-anne-rice-da-ateia-gotica-a-romancista cristã e http://www.skoob.com.br/grupo/103-anne-rice

Facebook: http://www.facebook.com/?ref=home#!/annericefanpage

Páginas do Facebook relacionadas à escritora Anne Rice: http://www.facebook.com/pages/Secrets-of-the-Master-of-Rampling-Gate/365914735195      e     http://www.facebook.com/apps/application.php?id=135565065097&sk=info – Which Anne Rice Character Are You? (Qual personagem da Anne Rice você seria?)

e-mail: anneobrienrice@gmail.com

Link de uma conversa muuuuuuito interessante, entre a escritora Anne Rice e a autora deste blog, Lili Machado: http://www.facebook.com/annericefanpage/posts/203727932985388 em 31 de março de 2011:

“Your brazilian fans are very happy to have you with us, in September, for the “Bienal do Livro”, our most important book event.  I´m a member of Skoob, a brazilian social network that deals with books and discuss literature, and would like to invite you to enter our site: www.skoob.com.br “. – Lili Machado

“Wow. I am so happy to be coming. How did you find out I was going to be there? I’m thrilled.” – Anne Rice

“Anne – if you allow me to treat so friendly – everybody here in Brazil is thrilled with the news we received today afternoon, about you coming to Rio in September. There´s a hashtag in twitter also: #AnneRicenaBienal. We´ll keep in touch, anyway. When the date for you to come is settled, we can try to meet you there or anywhere best for you. In the meantime, anything you need for your visit, we´re here to help.” – Lili Machado

 

 

 

 

 

 

Anúncios
comentários
  1. Estou lendo o livro, e realmente ele é bem depressivo, mas por alguma
    razão eu não consigo abandona-lo por completo,rs. Talvez pq eu sou uma
    grande fã dos livros da Anne. Muito boa a sua resenha. Eu faço parte de um
    forum dedicado a Anne e suas obras (todas as criações mesmo,rs), caso você
    tenha interesse em fazer uma visita, você será muito bem vinda, vou
    deixar o link:

    http://ailhadanoite.forumeiros.com/

Deixe seu comentário!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s