O hipnotista (The Hypnotist) – Lars Kepler – série Joona Linna 1

Publicado: 30 de março de 2013 em Lars Kepler
Tags:

O_HIPNOTISTA_1317320690PTHE_HYPNOTIST_1306284193PEditora: Intrínseca

Na mitologia grega, o deus Hipnos é um menino alado com sementes de papoula nas mãos, cujo nome significa sono.

Este livro está sendo vendido como semelhante à trilogia Millenium de Stieg Larsson (3 resenhas no blog: https://houseofthrillers.wordpress.com/category/stieg-larsson/), mas a semelhança fica somente no país de origem dos autores – a Suécia.

Para mim, nada se compara a Stieg Larsson no gênero – valem todas as páginas.

OS_HOMENS_QUE_NAO_AMAVAM_AS_MULHERES_1226094702P

stieg 2

stieg 3

Os homens que não amavam as   mulheres

A menina que brincava com fogo

A rainha do Castelo de ar

 Aliás, estou com a sensação de que basta ser um autor sueco para virar um best-seller… não é bem assim.

AURORA_BOREAL_1303270619PDevo informar que, além de Stieg Larsson, entre os escandinavos, tenho o maior apreço pelo norueguês Jo Nesbo (resenhas em breve) e pela também sueca Asa Larsson (resenha de Aurora Boreal, no blog: https://houseofthrillers.wordpress.com/category/asa-larsson/ ).

De fato, o livro começa bem, e vai legal até o meio, mais ou menos – mas logo vai se arrastando e se complicando e confundindo os leitores, com tramas secundárias conflitantes e com a alternância constante e abrupta dos protagonistas – no final ninguém sabe mais quem é o vilão ou o mocinho.

Bom, o aparente personagem principal é Erick, um hipnotista neurótico, casado com uma mulher mais neurótica do que ele, e pai de um menino doente mental.

O livro começa logo com um triplo homicídio brutal e nos apresenta o ingênuo e infantil detetive Joona Linna.

A estória é tão confusa que tenho dificuldade em descrever.

O ponto principal da trama é pingar o máximo de sangue possível, com grandes porções de sexo, para atrair os leitores com um serial killer de 15 anos de idade, totalmente inverossímel.

No texto são relatadas experiências odontológicas em doentes mentais, crianças de orfanato e idosos – foram obrigados a ficar com pasta de açúcar na boca, até os dentes apodrecerem e testarem um novo creme dental – isso aconteceu na Suécia mesmo?

Eu consegui acabar de ler – lutei muito para isso – acho que os meus leitores devem tentar a façanha, e me contar depois, o que acharam…

O_PESADELO_1352323964PO próximo livro com o detetive Joona Linna, é O Pesadelo (The Nightmare – página do livro no Skoob: http://www.skoob.com.br/livro/278553 ) – vamos ler e avaliar se melhorou ou piorou…

Só fiquei sabendo que Lars Kepler é o pseudônimo de um casal de escritores, quando acabei de ler o livro.

Faz sentido…

Aí é que pude entender as idas e vindas e voltas de personagens e tramas que tanto me confundiram.  Parece-me que os dois não conseguiram entrar num acordo sobre a trama e resolveram seguir caminhos diferentes, num mesmo livro.

Além disso, ficaram com tanta vergonha que até se esconderam atrás de um pseudônimo…

Escrever um thriller policial deve ser uma tarefa árdua – escrever a quatro mãos com seu marido deve ser mais difícil ainda.

Eu já li 2 livros que são escritos a quatro mãos, e nenhum deu muito certo.

Santa Cruise

Santa Cruise

Um eu odiei – Santa Cruise, da Mary Higgins Clark, escrito com sua filha Carol Higgins Clark (resenha no blog:DUPLO_HOMICIDIO_1245785414Phttps://houseofthrillers.wordpress.com/?s=santa+cruise), e o outro foi Duplo Homicídio, de meu querido escritor Jonathan Kellerman, com sua esposa Faye Kellerman, que abandonei no meio, apesar de amar Jonathan, de paixão (resenhas de Jonathan Kellerman no blog: https://houseofthrillers.wordpress.com/category/jonathan-kellerman/).

 Book trailer:

Trailer do filme sobre o livro:

larsLars Kepler é o pseudónimo de um casal de escritores suecos:  Alexander Ahndoril e Alexandra Coelho Ahndoril. Ambos os autores com livros publicados anteriormente.  Alexander Ahndoril nasceu em Estocolmo, em 1967. Dramaturgo e romancista, é considerado um dos jovens escritores de referência na nova literatura sueca. A sua obra conta já com oito romances e quinze peças de teatro. 
Alexandra Coelho Ahndoril nasceu em 1966. Filha de mãe portuguesa, divide o seu tempo entre a escrita, a crítica literária e uma tese sobre Fernando Pessoa. Com o primeiro romance, Castle of Stars, publicado em 2003, obteve o Catapult Prize 2003 para a melhor obra de estreia, conquistando a admiração de milhares de leitores na Suécia.

Entrevista com os autores sobre o fato de escreverem sob um pseudônimo:

Anúncios

Deixe seu comentário!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s