Arquivo de agosto, 2013


TRIPTICO_1343283269PTRIPTYCH_1282503958PEu me peguei diversas vezes, intrigada, pensando no que cada uma das tramas secundárias levaria – está estória é bastante intrincada – mais este é o seu charme.

Dos bairros mais ricos de Atlanta, aos conjuntos residenciais mais pobres da cidade, um assassino tem deixado suas marcas, cortando a lingua de suas vítimas, sem razão aparente.
Entre os que estão procurando por ele, vemos o veterano detetive Michael Ormewood, que tem um filho deficient mental e cujo casamento está na corda bamba – e cuja arrogância e temperamento explosivo, ameaçam sua carreira.
Também podemos conhecer Angie Polaski, uma bela policial que já foi amante de Michael antes de tornar-se sua inimiga.
Somos apresentados, também, a Will Trent, investigador do estado da Geórgia, que mantém um relacionamento longo e complicado com Angie Polaski, que conheceu num orfanato, enquanto esconde de todos, seus problemas com a dyslexia e os demônios de seu passado.
Mas, além deles, surge um novo personagem: John Shelley, um ex-presidiário que se depara com os rastros do assassino, através de uma coincidência – e que pode ser a chave principal para a solução dos crimes.
Shelley foi condenado aos 15 anos de idade, pelo estupro seguido de morte, de uma namorada de infância – passou o pão que o diabo amassou na penitenciária, por mais de 20 anos e acaba de sair na condicional por bom comportamento.
Tríptico (Triptych) acelera a tensão, revelação por revelação, na direção de um clímax de tirar o fôlego.

Mais um thriller psicológico fantástico, com diversos níveis de informações, de uma de minhas escritoras de romances policiais favoritas: Karin Slaughter (resenhas de seus livros no blog: https://houseofthrillers.wordpress.com/category/karin-slaughter/).
Eu me peguei diversas vezes, intrigada, pensando no que cada uma das tramas secundárias levaria – está estória é bastante intrincada – mais este é o seu charme.

Karin Slaughter

Karin Slaughter

Karin Slaughter já lançou 5 livros da série Grant County (resenhas no blog: https://houseofthrillers.wordpress.com/?s=grant+county), sob a perspectiva da legista Sara Linton, seu ex-marido e delegado Jeffrey Tolliver; e da policial atormentada Lena Adams: Blindsighted Cega), Kisscut, A faint cold fear (Um frio na espinha), Indelible, Faithless e Beyond reach (que não li ainda – resenhas em breve).
Tríptico (Triptych) é o primeiro livro da nova série: Atlanta.
O próximo será Fractured.
Em seguida, Karin Slaughter reune as duas séries, fazendo com que Will Trent trabalhe com Sara Linton, em: Undone, Broken, Fallen, Criminal, e o recente Unseen.

Booktrailer:

 

Anúncios

DUPLO_DEXTER_1385762737PDOUBLE_DEXTER_1320285727PDexter está sendo seguido, manipulado e imitado.

Uma testemunha.

Para Dexter Morgan, a possibilidade de existir uma testemunha de seus atos, é aterrorizante.

Como analista forense da polícia de Miami, Dexter sempre conseguiu manter seu lado escuro, longe dos holofotes, matando somente criminosos que escaparam da justiça.

Por muito tempo, Dexter Morgan vive diversas vidas ao mesmo tempo: marido e pai de dois enteados e de uma filha natural; analista forense na polícia de Miami; e vingador implacável de criminosos impunes.

Ele corta e recorta suas vítimas, mantendo como souvenir, uma gota de sangue, numa placa de laboratório, num cofre, em sua casa.

Porém, agora, alguém o viu. Dexter está sendo seguido, manipulado e imitado. Até mesmo sua esposa Rita anda se comportando estranhamente.

O que terá dado errado? Sua carreira, seu casamento e sua liberdade parecem estar ameaçados. Ele não gosta nada disso…

Continuando os 5 primeiros livros da série, para melhor entender o caráter de nosso anti-herói (resenhas no blog: https://houseofthrillers.wordpress.com/category/jeff-lindsay/ ).

Dexter no escuro

Dexter no escuro

Dexter, a mão esquerda de Deus

Dexter, a mão esquerda de Deus

Querido e devotado Dexter

Querido e devotado Dexter

Design de um assassino

Design de um assassino

Dexter é delicioso

Dexter é delicioso

Jeff Lindsay, autor da série Dexter, fala na televisão, durante uma apresentação de seus livros:

 


DEXTER_E_DELICIOSO_1385762478PDEXTER_IS_DELICIOUS_1287827191P

Há dois Dexter Morgans: o da série de televisão, e o personagem dos livros de Jeff Lindsay. Ambos são o mesmo homem, porém o da TV parece uma cópia ficcional do Dexter verdadeiro.

       Tudo está se modificando para o nosso amigo e carismático sociopata serialkiller, Dexter Morgan.

Design de um assassino

Design de um assassino

Continuando os 4 primeiros livros da série, para melhor entender o caráter de nosso anti-herói (resenhas no blog: https://houseofthrillers.wordpress.com/category/jeff-lindsay/ ).

Dexter no escuro

Dexter no escuro

Dexter, a mão esquerda de Deus

Dexter, a mão esquerda de Deus

Querido e devotado Dexter

Querido e devotado Dexter

Depois de se casar para manter as aparências de um ser humano normal, ele agora é pai de uma linda menininha, Lily Anne. E, por incrível que pareça, de quem ele gosta muito.

            Na janela do berçário, ele começa a desejar mais a vida do que morte: “Quero abraçá-la. Quero que ela sente no meu colo para que eu lhe conte um estorinha. Não quero mais ser o Dexter obscure novamente.” – Dexter Morgan

Se ele tiver de matar novamente, sera para proteger sua criança de qualquer predador que venha a ousar tocar sequer em um fio de cabelo dela.

Mas… mas…

Duas garotas estão desaparecidas – e um dos corpos aparece, parcialmente devorado e sugerindo vampirismo.

Como sempre, a estória atravessa a fina linha entre o drama e a sátira, com a batalha de Dexter com seus próprios demônios.

Devo mencionar, embora um pouco tardiamente, que há dois Dexter Morgans: o da série de televisão, e o personagem dos livros de Jeff Lindsay. Ambos são o mesmo homem, porém o da TV parece uma cópia ficcional do Dexter verdadeiro.

Jeff Lindsay, autor da série Dexter, fala na televisão, durante uma apresentação de seus livros:

 


DEXTER_DESIGN_DE_UM_ASSASINO_1385762715PDEXTER_BY_DESIGN_1247063022P

Dexter – Design de um assassino (Dexter by design) não é o pior da série, mas…

Sendo um analista de manchas de sangue, o trabalho de Dexter na polícia de Miami vem a calhar.

É claro que o fato de Dexter só matar criminosos culpados, ajuda muito.

Continuando a série cujos 3 primeiros livros já apresentam resenhas aqui no nosso blog: https://houseofthrillers.wordpress.com/category/jeff-lindsay/ , depois de sua lua-de-mel em Paris, a vida segue normal para Dexter Morgan.

Dexter no escuro

Dexter no escuro

Dexter, a mão esquerda de Deus

Dexter, a mão esquerda de Deus

Querido e devotado Dexter

Querido e devotado Dexter

 

A vida de casado parece lhe cair bem: ele é devotado à sua esposa Rita e aos filhos dela. Até mesmo seu apetite pelos assassinatos está sob controle.

Mas os velhos hábitos são difíceis de serem esquecidos.

A descoberta de um corpo artisticamente disposto, como se estivesse relaxando ao sol de uma praia de Miami, chama sua curiosidade para um novo serial killer no pedaço.

Além disso, sua irmã policial, é esfaqueada.

A série está ficando previsível e um tanto chata… duas palavras que não deveriam estar juntas numa resenha de livro de suspense…

Dexter – Design de um assassino (Dexter by design) não é o pior da série, mas…

Jeff Lindsay, autor da série Dexter, fala na televisão, durante uma apresentação de seus livros:

 


DEXTER_NO_ESCURO_1385762685PDEXTER_IN_THE_DARK_1235438425PA coisa está ficando pessoal… E agora Dexter tem uma família para proteger.

Dexter Morgan está muito ocupado, planejando seu casamento com Rita, para completer seu disfarce de pessoa normal.

Mas quando um estudante é encontrado queimado, molestado e decapitado – aparentemente sacrificado a um Deus antigo (num toque sobrenatural) – e Dexter é chamado para trabalhar como consultor forense, na investigação, ele descobre que pode estar lidando com alguém muito sinistro do que ele mesmo.

A coisa está ficando pessoal… E agora Dexter tem uma família para proteger.

Aos poucos, também, Dexter começa a notar que seus enteados podem compartilhar seus interesses extracurriculares, para com a morte. O que não vem a ser muito legal…

Será que Dexter vai conseguir ajudar as crianças a direcionar esses instintos assassinos para situações mais amenas, tais como as que seu próprio pai adotivo o ensinou? Afinal, os problemas de Dexter são puramente psicológicos: um grave trauma de infância fez com que aflorassem emoções disconexas e a premência pelo assassinato (com requintes de crueldade) se estabelecesse.

Para que isso possa acontecer, tudo o que Dexter tem de fazer é permanecer vivo…

Dexter, a mão esquerda de Deus

Dexter, a mão esquerda de Deus

Querido e devotado Dexter

Querido e devotado Dexter

 

No terceiro livro de Jeff Lindsay (resenhas dos dois livros anteriores no blog: https://houseofthrillers.wordpress.com/category/jeff-lindsay/ ), o charmoso serial killer de Miami investiga um assassinato no campus da universidade. A cena do crime é impressionante e perturba até mesmo o nosso anti-herói.

 

 

Enquanto isso, tenho o dever de alertar o amigo leitor de que a personagem Rita (agora casada com Dexter) e seus filhos Astor e Cody, é muito mais rica e interessante, na série de televisão, do que nos livros.

O tema está começando a cansar, e Dexter está perdendo o controle das situações à sua volta…

Estou dando novas chances a Dexter e ao escritor Jeff Lindsay – os primeiros livros passaram batidos, este até que é bem aceitável – vejamos o próximo.

Cena de Rita e Dexter, ao fim da 4a temporada da série televisiva:

O escritor Jeff Lindsay fala sobre sua criação: