Arquivo de dezembro, 2013


REFUGIO_1338992590PEssa nova série não em interessou muito.

O thriller young adult de estréia do aclamado autor Harlan Coben, relata as estórias de Mickey, sobrinho de Myron Bolitar, protagonista da série do mesmo nome (resenhas no blog: https://houseofthrillers.wordpress.com/?s=myron+bolitar ). Mickey foi apresentado pelo autor, no livro Live Wire (resenha no blog: https://houseofthrillers.wordpress.com/2013/10/12/live-wire-harlan-coben-serie-myron-bolitar/) e agora ganha sua própria série – apesar dos muitos clichês apresentados.

Live wire

Live wire

O ano de Mickey não poderia dar mais errado. Depois de testemunhar a morte de seu pai e internar sua mãe numa clínica de reabilitação para viciados, ele tem de viver com seu tio Myron, que quem não gosta.

Felizmente, ele conhece uma garota, Ashley, e as coisas começam a melhorar.

Mas Ashely desaparece, forçando Mickey a seguir sua trilha até o submundo que revela a real natureza da garota.

Logo Mickey descobre sobre uma conspiração tão chocante que o faz questionar tudo que sabe até agora – até mesmo a morte de seu pai.

Eu não gosto dos livros da série Myron Bolitar, prefiro os thrillers isolados de Harlan Coben – e essa nova série também não me interessou muito.

Book trailer:

Vídeo em que Harlan Coben fala sobre o protagonista da série, Myron Bolitar:

Harlan Coben

Harlan Coben é autor de mais de 15 livros e vencedor de vários prêmios – sendo o únic escritor a ganhar o Shamus, o Anthony e o Edgar Allan Poe. Aclamados pela crítica, seus últimos lançamentos chegaram ao topo das listas de mais vendidos, dos principais veículos de comunicação do mundo. Os livros de Coben já foram traduzidos para mais de 20 idiomas. Atualmente o autor vive com a mulher e os quatro filhos, em Nova Jersey.  Aclamado na França como “o mestre das noites em claro”.

 
Site: http://www.harlancoben.com
Facebook: http://www.facebook.com/media/set/?set=a.1403961430909.2053515.1588575676#!/harlan.coben / http://www.facebook.com/harlancobenbooks?ref=ts&sk=wall
Twitter:@HarlanCoben – http://twitter.com/#!/HarlanCoben

Grupo de discussão no Skoob, sobre o autor: http://www.skoob.com.br/grupo/572-harlan-coben

Anúncios

bonesbones 1Os segredos dos mortos estão em suas mãos.

Os ossos de três jovens mulheres são desenterrados do porão de uma pizzaria em Montreal, a antropóloga forense Temperance Brennan se depara com um assassinato, quando examina os esqueletos.

Contra a opinião da polícia local que acha que os assassinatos são muito antigos, e intrigada porque os corpos não batem com nenhuma pessoa desaparecida nos últimos anos, Tempe continua a investigação, pois o exame com o Carbono 14 confirma que são recentes, dos anos 80.

No laboratório, os ossos já limpos e bem preservados, oferecem novas pistas, inclusive antigos broches escontrados perto dos esqueletos – e tem de ser rápida pois o trabalho de um serial killer está aparecendo.

Vulnerável por ter deixado a filha, Katy, na Carolina do Norte, ela luta para manter a relação romântica com o Detetive Andrew Ryan, que chegou a um ponto muito delicado.

E também para conseguir o respeito de seus colegas chauvinistas, como o detetive Luc Claudel, que não a levam a sério.

Além disso, sua melhor amiga está em meio a um divórcio – aparece em sua casa de repente – e desaparece mais repentinamente ainda.

Eu adoro detalhes de medicina forense, e médicas legistas, como a Kay Scarpetta da Patrícia Cornwell (resenhas no blog: https://houseofthrillers.wordpress.com/?s=scarpetta), mas este livro é excessivamente chato – entediante, na verdade – a autora entra em detalhes exaustivos. A trama é pobre, os personagens são pobres – metade dele poderia ter sido deixado de lado.

Tem páginas e mais páginas onde ela mesma apresenta seu vasto curriculum vitae – mas quem está interessado nisso?

É uma pena, porque estava doida para ler um livro da série que inspirou um de meus seriados favoritos: Bones. Tudo que a Dra. Temperance Brennan tem de bom, na televisão, tem de ruim no livro. Todo humor que tempera as cenas fortes do laboratório desaparece nas palavras escritas.

Somente um detalhe eu achei interessante, fui pesquisar e trouxe para o amigo leitor: http://en.wikipedia.org/wiki/Thomas_Crapper – sobre a invenção do vaso sanitário moderno no século XVI por Sir John Harrington. A invenção do sistema de descarga moderno também é atribuída a um britânico, Thomas Crapper. Além do sistema de descarga, ele teria criado em 1860, a tampa dobrável em forma de “U”.

10 grandes momentos das temporadas 1 a 6 do seriado Bones, baseado nos livros da escritora:


THE_FEAR_INDEX_1323380602P

Uma amostra do mundo da ganância e do pânico, misturando Sci-Fi com suspense.   
No coração do mundo financeiro e das sofisticadas tecnologias de programação da computação, um futuro terrível pode estar se construindo, exatamente neste momento.
O nome do Dr. Alex Hoffmann (gênio da matemática e da computação, e bilionário) é cuidadosamente guardado do público em geral, mas nos círculos exclusivos dos super-ricos, ele é uma lenda. Ele desenvolveu uma forma revolucionária de inteligência artificial que consegue prever os movimentos dos mercados financeiros, de uma maneira estonteantemente precisa.
Ele nem sempre foi um investidor financeiro. Começou sua carreira como cientista da CERN (European Organization for Nuclear Research), onde seu trabalho envolvia algorrítimos complicados e o treinamento de máquinas para imitar o comportamento humano.
A trama acontece durante tumultuadas 24 horas na vida de Hoffmann.
Seus escritórios em Genebra lidam com bilhões, com a ajuda de um programa do mercado de capitais, baseado em seus trabalhos anteriores na CERN. Mas numa manhã, um sinistro intruso consegue quebrar o elaborado esquema de segurança da mansão de 60 milhões de dólares de Hoffmann, à beira do lago Geneva.
Acontece um confronto, Hoffmann é ferido. E é então que começa um pesadelo de paranóia e violência, à medida que Hoffmann tenta, com desespero crescente, descobrir quem está tentando destruí-lo.
Hoffmann começa a lidar com o maior perigo que ele pode imaginar: seu próprio intelecto. Ele descobre que não está em pleno controle de sua vida e para melhor entermos, somos apresentados a várias e interessantes teorias Darwinistas, a cada início de capítulo.
Cheio de personagens bem construídos e surpresas ardilosamente reveladas – e uma boa dose de paranoia – The Fear Index nos dá uma amostra do mundo da ganância e do pânico.
É uma trama que mistura ficção científica e suspense, e que nos força a confrontar a questão do significado do que é ser humano – a mais audaciosa estória de Robert Harris, até hoje – que envolve questões sociológicas.
Hoffmann é arrogante e talentoso, mas sua falta de interação não o aproxima muito dos leitores. Seu relacionamento com a esposa artista plástica é superficial e desinteressante. Ela é quente e faz uma arte ousada. Mas também é muito triste, porque não pode ter filhos.
Ao final do livro, o leitor se pergunta: Hoffmann é doido, é a vítima, o vilão, ou tudo isso em conjunto?
Robert Harris é o premiado escritor do best-seller de suspense político e de espionagem britânica, O Fantasma (The Ghost Writer – resenha no blog, em breve).

Booktrailer:

Robert Harris fala sobre as origens reais das ideias da trama de The Fear Index – que mêda!