Arquivo da categoria ‘Stephen King’


Editora: Objetiva

Escapar de seu terrível casamento não é tão fácil quanto fugir para uma nova cidade, usar um nome novo, encontrar um emprego, e arrumar um novo relacionamento.

A estória de Rose começa com uma esposa torturada diariamente (retratada de forma muuuuuuuuuuuuuito realista) e segue até tornar-se uma mulher independente – alternando aterrorizantes momentos de perseguição pelo ex-marido.

É uma procura pela vida, mesmo nas sombras da morte.

Esta é a estória de Rose Daniels, a personagem feminina mais bem retratada pelo mestre Stephen King, segundo as resenhas oficiais da imprensa norte-americana.

Escapar de seu terrível casamento não é tão fácil quanto fugir para uma nova cidade, usar um nome novo (Rose McClendon, solteira), encontrar um emprego, e arrumar um novo relacionamento.  A falsa segurança do anonimato.

Não com um ex-marido policial, como Norman… (mais…)


Editora: Objetiva

Um sentimento de desconforto se agarra a você, ao final do livro (isso se você tem alma boa).

Stephen King é mestre na escrita de thrillers de terror que não chegam a aterrorizar, mas que fazem pensar. Entretanto, de todos os seus livros, este é o que tem o final mais sinistro.

Um dos clientes e amigos de Billy, Richie Ginelli, cuja mãe conhece magia cigana, lança sobre Tadzu, a “maldição do homem branco da cidade” e faz de tudo para transformar essa ameaça em verdade, num esforço para que o cigano retire a maldição original e que, com isso, Billy seja livre da perda contínua de peso e provável morte.

Cada capítulo nos dá a mudança cada vez maior no peso do protagonista Billy.  Stephen King se agarra a uma das maiores obsessões norteamericanas e a transforma num pesadelo.  As maldições ciganas e a mensagem de cunho moral: “Você é responsável por suas ações”, crescem à medida que as páginas são viradas.   Um sentimento de desconforto se agarra a você, ao final do livro (isso se você tem alma boa). (mais…)


Editora: Objetiva

É a estória de um dom especial que, talvez, nenhum de nós gostaria de ter.

Stephen King escreveu “The Green Mile”, como uma série de 6 volumes, cujo cenário é o corredor da morte de uma prisão sulista norteamericana em 1932. O corredor da morte é a passagem com o chão da cor do limo de décadas, que leva até a sala da cadeira elétrica (forma da penalidade naquele tempo). O narrador é um velho carcereiro (Paul Edgecombe), recordando os eventos que aconteceram durante o tempo em que lá trabalhou, em sua juventude. King desenvolve a estória de John Cefey, condenado à morte pelo rapto e assassinato de duas meninas gêmeas. Edgecombe não consegue acreditar que esse homem que tem medo do escuro possa ter cometido crime tão terrível. (mais…)