Posts com Tag ‘Karin Slaughter’


 snatchedO aeroporto inteiro é lacrado – somente com base na intuição de Will. – é melhor ele estar certo!

Will Trent, o herói da série Atlanta, trabalhou no como investigador na Geórgia, por 15 anos e é famoso por sua intuição.  Deveria ouvir a si próprio mais vezes…

Quando estava no banheiro de um aeroporto, Will houve uma menininha chorar, pedindo a um homem: “Por favor, eu quero ir para casa”. – Alguma coisa não está certa, pensa ele.

Mas demora demais para agir, e agora a menina de sapatinhos Hello Kitty, e o homem desapareceram na multidão de um dos aeroportos mais movimentados do país.

Após uma busca desesperada contra o tempo, Will pede ajuda a sua chefe, Amanda Wagner.  A parceira de Will, Faith Mitchell, abre, imediatamente, um alerta de criança desaparecida (Amber Alert).  O aeroporto inteiro é lacrado – somente com base na intuição de Will. A menina de 6 ou 7 anos foi seqüestrada e eestá sendo levada, Deus sabe onde. – é melhor ele estar certo!

E Will decide que irá trazê-la de volta – não importa o que aconteça. E sempre, por trás de tudo, o medo de que é tarde demais.

Apesar de ser um conto – uma short story exclusiva para o Kindle – Snatched é um bom suspense que traz um Will Trent competente, uma Faith Mitchell bem humorada e uma Amanda Wagner que os apóia.

Leia mais resenhas dos livros da Karin Slaughter: https://houseofthrillers.wordpress.com/category/karin-slaughter/

Anúncios

the unremarkable heartO conhecimento chegou para ela como uma verdade já aceita. Ela ia morrer hoje.

A escritora Kari Slaughter é conhecida por suas tramas intrincadas e por sua habilidade em colocar o leitor no meio da cena do crime.
Neste conto exclusivo para o Kindle (ela já lançou vários – resenhas dos livros da escritora, no blog: https://houseofthrillers.wordpress.com/category/karin-slaughter/ ), June Connor está morrendo de câncer de pulmão e seu ex-marido Richard, recém saído da prisão, está cuidando dela em seu leito de morte.
Ela pensa em como chegou a essa situação, e se lembra de sua filha adolescente Grace, tentando não ficar muito deprimida ou negativa em seus últimos pensamentos – apesar dos eventos desses últimos 21 anos terem sido muito difíceis.
Para piorar, Slaughter deixa o leitor embasbacado quando o marido decide, no último dia de vida de June, contar toda a chocante verdade sobre os acontecimentos que mudaram a vida dela e de sua família.
Estória interessante com trama bem desenvolvida através de uma intensa jornada emocional e final chocante. Nada de subterfúgios ou condescendências com o leitor, somente a verdade nua e crua sobre a vida e as conseqüências das decisões tomadas pelos personagens – este é o estilo Karin Slaughter.
The knowledge came to her as an accepted truth. The sun would rise. The Earth would turn. She would die today. (O conhecimento chegou para ela como uma verdade já aceita. Ela ia morrer hoje.) – June Connor


TRIPTICO_1343283269PTRIPTYCH_1282503958PEu me peguei diversas vezes, intrigada, pensando no que cada uma das tramas secundárias levaria – está estória é bastante intrincada – mais este é o seu charme.

Dos bairros mais ricos de Atlanta, aos conjuntos residenciais mais pobres da cidade, um assassino tem deixado suas marcas, cortando a lingua de suas vítimas, sem razão aparente.
Entre os que estão procurando por ele, vemos o veterano detetive Michael Ormewood, que tem um filho deficient mental e cujo casamento está na corda bamba – e cuja arrogância e temperamento explosivo, ameaçam sua carreira.
Também podemos conhecer Angie Polaski, uma bela policial que já foi amante de Michael antes de tornar-se sua inimiga.
Somos apresentados, também, a Will Trent, investigador do estado da Geórgia, que mantém um relacionamento longo e complicado com Angie Polaski, que conheceu num orfanato, enquanto esconde de todos, seus problemas com a dyslexia e os demônios de seu passado.
Mas, além deles, surge um novo personagem: John Shelley, um ex-presidiário que se depara com os rastros do assassino, através de uma coincidência – e que pode ser a chave principal para a solução dos crimes.
Shelley foi condenado aos 15 anos de idade, pelo estupro seguido de morte, de uma namorada de infância – passou o pão que o diabo amassou na penitenciária, por mais de 20 anos e acaba de sair na condicional por bom comportamento.
Tríptico (Triptych) acelera a tensão, revelação por revelação, na direção de um clímax de tirar o fôlego.

Mais um thriller psicológico fantástico, com diversos níveis de informações, de uma de minhas escritoras de romances policiais favoritas: Karin Slaughter (resenhas de seus livros no blog: https://houseofthrillers.wordpress.com/category/karin-slaughter/).
Eu me peguei diversas vezes, intrigada, pensando no que cada uma das tramas secundárias levaria – está estória é bastante intrincada – mais este é o seu charme.

Karin Slaughter

Karin Slaughter

Karin Slaughter já lançou 5 livros da série Grant County (resenhas no blog: https://houseofthrillers.wordpress.com/?s=grant+county), sob a perspectiva da legista Sara Linton, seu ex-marido e delegado Jeffrey Tolliver; e da policial atormentada Lena Adams: Blindsighted Cega), Kisscut, A faint cold fear (Um frio na espinha), Indelible, Faithless e Beyond reach (que não li ainda – resenhas em breve).
Tríptico (Triptych) é o primeiro livro da nova série: Atlanta.
O próximo será Fractured.
Em seguida, Karin Slaughter reune as duas séries, fazendo com que Will Trent trabalhe com Sara Linton, em: Undone, Broken, Fallen, Criminal, e o recente Unseen.

Booktrailer:

 


Editora: Harpertorch

“Karin Slaughter is a fearless writer.  She takes us to the deep, dark places other novelistas don´t dare to go.” – Tess Gerritsen

 Neste livro 4 da série Grant County, a doublê de pediatra/legista Sara Linton e o delegado Jeffrey Tolliver ainda estão separados – mas doidinhos para alguma coisa acontecer para ficarem juntos novamente.

A policial Lena Adams está morando da casa de Nan, a companheira de sua falecida irmã Sibyl, assassinada no primeiro livro da série, Cega (resenha no blog: https://houseofthrillers.wordpress.com/2011/07/23/cega-blindsighted-%e2%80%93-karin-slaughter-%e2%80%93-serie-grant-county-1/), parece em bons termos com seu tio Hank.

Mas como não se emenda, continua se encontrando com o Ethan – o estudante aprendiz de valentão, que conheceu em Frio na Espinha (A faint cold Fear) – (resenha no blog: https://houseofthrillers.wordpress.com/2011/09/03/frio-na-espinha-a-faint-cold-fear-%e2%80%93-tess-gerritsen-%e2%80%93-serie-grant-county-3/) e continua apanhando dele, apesar de, em serviço, ser mais durona que seus companheiros homens.

Só que, desta vez, ela está grávida…. (mais…)


Editora: Thomas&Mercer

Cada um deles é, realmente, um espinho do outro.

Wayne e Kirk são gêmeos – um a cara do outro.  Mas, de algum modo, eles são diferentes: um é um cristão devoto – o outro, ateu.  Um é virgem – o outro, um pegador.  Cada um tem uma personalidade conflitante com a do irmão.  Wayne é suave e religioso – Kirk é agressivo e violento. 

É Wayne que nos relata a estória.

Mas, apesar de serem opostos intimamente relacionados – como dia e noite, esquerda e direita, antes e depois – eles estão sempre juntos: para trabalhar, brincar, sequestrar e assassinar…

Em se tratando do último caso, o par inseparável de Karin Slaughter está sempre envolvido nesses e outros assuntos podres, naquele que pode vir a ser o conto mais perturbador e inesquecível sobre irmãos gêmeos, que você já leu.

Podia ser uma noite qualquer, e eles podiam ser apenas dois irmãos – mas não são. (mais…)