Posts com Tag ‘Miss Marple’


Editora: Record

O primeiro mistério de Miss Marple – o que testa todos os seus poderes de observação e dedução.

“Qualquer um que matasse o Coronel Protheroe”, declarou o pastor, com a faca numa fatia de rosbife, “estaria fazendo um favor ao mundo!”.  Essa foi uma frase infeliz, vinda de um homem religioso, e que o assombraria, em algumas horas – quando o tal coronel foi encontrado assassinado na sala do vigário.

Essa morte parece impossível.  Ninguém ouviu o tiro, ninguém viu alguém entrar na sala. A empregada o deixou entrar apenas 15 minutos antes do corpo ser descoberto.

Porém, como Miss Marple logo descobre, toda a cidade parecia ter um motivo para matar o detestável Coronel Protheroe – sua esposa infeliz, sua filha, um artista visitante, a Sra. Lestrange, um arqueólogo, uma secretária, e o próprio vigário. (mais…)


Editora: Nova Fronteira

Você deve manter este livro disponível para seus hóspedes, mas assegure-se de ler antes.              

Pense em você com um grupo de amigos que inclua Miss Jane Marple.

Sentados perto da lareira, após o jantar, alguém tem a idéia de contar estórias de mistério que somente o relator saiba a resposta, para que os outros amigos resolvam o caso.

Advinhe quem sempre acaba descobrindo as soluções: essa pequena senhora que tricota coisinhas fofas.

A explicação dela para acertar sempre, é a de ter vivido numa cidadezinha pequena por toda sua vida, e ter desenvolvido uma compreensão da natureza humana que lhe dá a habilidade de identificar os modelos de crimes – o que leva à solução.

Enquanto começou como um jogo, os convidados logo desenvolvem um grande respeito pela sagacidade de Miss Marple, chegando a levar para ela, crimes reais e não solucionados pela polícia.

Este é um livro de contos que de alguma forma estão conectados ao jogo – você deve manter este livro disponível para seus hóspedes, mas assegure-se de ler antes.       (mais…)


Editora: Nova Fronteira

Miss Marple sabe – mesmo a cidadezinha mais calma pode guardar os segredos mais escabrosos.

Uma das vizinhas de Jane Marple, Mrs. Bantry, colocou sua casa a venda e ela foi comprada por uma atriz de cinema americano, a bela e glamurosa, Marina Gregg e seu marido Jason Rudd.

O casal oferece uma grande festa para reinaugurar a casa e, durante o jantar, num minuto, a tola Heather Babcock estava falando com sua atriz de cinema favorita.  Logo depois, ela sofre um ataque violento, envenenada por um drinque fatal, que, tudo indica, era para ser tomado pela atriz.

Mas enquanto a polícia se enrola toda para descobrir pistas, Miss Marple começa a perguntar coisas, pois ela sabe – mesmo a cidadezinha mais calma, como St. Mary Mead, pode guardar os segredos mais escabrosos.  A Natureza humana é sempre constante.

Em 1980, o livro foi para o cinema com Angela Lansburry no papel de Miss Marple. Elizabeth Taylor, Rock Hudson, e Kim Novak tiveram outros papéis nesta excelente recriação da peça literária.

Só senti muita falta dos trabalhos de tricot costumeiros, de nossa detetive amadora. (mais…)


Editora: Record

Um hotel antigo de Londres, da era Edwardiana, não tem uma reputação tão boa quanto seria o esperado…

Mas quando Miss Marple vem do campo, para um fim de semana em Londres, pago por seu sobrinho rico, ela encontra o que esperava no Hotel Bertram, que ela havia visitado várias vezes, quando criança: decoração austera, serviço impecável e uma atmosfera de perigo, escondida atrás de balcões envernizados.  O lugar perfeito para seu feriado.

Entrar nesse hotel é como entrar na Inglaterra antes da Guerra Mundial.  Tudo parece funcionar perfeitamente.  Os hóspedes são da nobreza, do clero e de famílias tradicionais – que gostam de passar pela experiência de voltar ao passado.

Mesmo assim, nem Miss Marple poderia prever a violenta cadeia de eventos que se iniciaria quando um hóspede excêntrico chega do aeroporto, no dia errado… (mais…)


Editora: Nova Fronteira

O fato especial neste livro é apresentação do personagem Jason Rafiel, um hóspede rico e extremamente rude, do qual ainda vamos ouvir falar em Nemesis.

Miss Marple, que esteve muito doente, escapa dos rigores do inverno inglês e ganha uma viagem de férias ao Caribe, de seu sobrinho rico, Raymond West.  Enquanto fica sentada ao sol do Caribe, no Golden Palm Hotel, na ilha de St. Honore, com sua cesta de tricot, Miss Marple se sente muito descontente.  Na verdade, o reumatismo melhorou bastante, mas nesse paraíso exótico não acontece nada!

De repente, seu interesse é despertado pelo comentário de um velho soldado, o Major Palgrave, em meio a um grupo de amigos turistas, sobre um assassino que ele conhecera.  E justo quando ele ia mostrar a ela uma fotografia do tal assassino, que ele tinha em sua carteira, uma interrupção fatal acontece…  Naquela mesma noite ele morre e a fotografia desaparece.

Logo os paralelos com os casos da vila em que mora, surgem na memória de Miss Marple e ela consegue as primeiras respostas.

Miss Marple é, certamente, uma caricatura da mulher inglesa do campo – alta, magra, de olhos azuis, cabelos brancos e face enrugada.  Está sempre às voltas com um tricot.  Vive de modo refinado mas simples, gosta de jardinagem e longas caminhadas.  Mora no povoado de St. Mary Mead e recebe ajuda financeira de seu sobrinho da cidade, o novelista Raymond West, que considera a cidadezinhas, “uma poça estagnada.”  “Eu creio que nada é tão cheio de vida quanto uma gota de água de uma poça estagnada, debaixo do microscópio.” – Miss Marple. (mais…)